.

Web Livro

                                                                                                                                                                       

                                               Parte 1

O dia estava chuvoso aqui em São Paulo,como sempre...Mal podia esperar para chegar a hora de partir, se bem, que vou ficar com saudades da minha terra, do lugar em que eu nasci...Rapidamente me arrumei, e fui tomar meu café da manhã com a companhia insignificante da minha mãe...Que foi logo acendendo um cigarro. Com o mau cheiro no ar dei umas goladas no leite e pronto, pois a comida não descia com tanta fumaça. Finalmente minha mãe acabou o café e disse " Susan, vá pegar suas malas e por no carro." E eu fiz exatamente isso. Chegando no aeroporto, vi algumas lagrimas escorrendo pelo rosto dela...Fingi que não estava vendo nada, até que a moça da recepção anunciou o voo para New York, Com dó da minha mãe, a abracei e falei que sentiria saudades, e que um dia, iria voltar. Depois de muito mela mela, fui chegando na sala de embarque, e alguns minutos depois, me mandaram entrar no avião,chegando lá fiquei com o coração disparado, prestes a decolar para New York.

                                            Parte 2
                                                   
Ao entrar no avião, que por sinal era enorme, fui procurar o meu acento que infelizmente, era ao lado de uma mulher com dois pirralhos berrantes, que deviam ter entre 5 e 6 anos, mas não ia deixar aquilo atrapalhar a minha viagem! Peguei meu Ipod, botei meus fones e entrei naquele mundinho " Pop e Rock " Quando eu menos esperava, o avião já avia saído do Brasil, olhei pela janela do avião e vi uma paisagem incrível! Então peguei minha câmera e comecei a bater algumas fotos. Estava tão exausta que decidi cochilar um pouco...De repente comecei a ouvir vozes dizendo " Susan não...Não Susan." Então rapidamente me acordei super frustada, mas me toquei de que aquilo foi apenas um pesadelo, então voltei a dormir, mas outra coisa atrapalhou meu sono, me acordei com a aeromoça me oferecendo balinhas, e já que minha mãe não estava lá, e eu podia fazer oque eu quisesse, dei uma mãozada na taças de balinhas que fez a aeromoça arregalar os olhos! Pois é, minha viagem foi mais ou menos isso, comer balinhas, ouvir música e berros de criança, fotografar e dormir...Praticamente as coisas que eu mais gosto quando estou sozinha, tirando os berros de crianças, pois em casa eu que faço meus próprios berros.

                                       Parte 3

Finalmente depois de muitas horas de viagem o avião estava pousando...Quando sai de lá dei aquele velho suspiro que todo mundo conhece, acompanhado de um " Uau" Pois é, depois de longos anos aturando a minha mãe, estava prestes a conhecer uma pessoa que talvez teria que aturar novamente. Fui logo entrando no aeroporto, mas ai veio aquela pergunta " Como meu pai ia me achar, se já se faz 14 anos que ele não me ver?  Mas ai, me deparei com um homem que parecia meio frustado. Ele tinha os cabelos escuros e olhos claros...Parecia muito comigo, então rapidamente ele veio em minha direção e exclamou " Susan ! "  Na hora eu não sabia oque dizer...Então disse a coisa mas ingenoa do mundo " Oi papai " que frase mas repugnante! Nem uma criança diria isso! Ai ele me deu um abraço, e eu gostei...Parecia que era o abraço de que tanto eu sentia falta, e que esperei por longos anos. Então, peguei minhas tralhas e ele pegou o resto e fomos botar no carro, e que carro! Quando entrei no carro  novamente suspirei, pois estava prestes a recomeçar minha vida, e partimos em direção a " Minha Nova Casa "

                                 Parte 4

No caminho para " Minha" nova casa, fui percebendo o quanto o meu pai era sarcastico...Tivemos um bom diálogo, e pela janela do carro, fiquei refletindo  a minha vida, a única coisa em que eu não precisava falar entre aspas...É naquele dia eu fiquei estável como um rio, mas ai pensei e notei que nem o rio era estável. Mais na frente, meu pai decidiu contar um pouco sobre a minha vida e  sobre a dele. Acabei descobrindo que tinha uma irmã chamada Libby, ela tinha 5 anos e a história dela, realmente era parecida com a minha...Sendo que a Libby perdeu a mãe quando era bebê, por isso que nos torna diferente pois minha ausencia toda foi de pai, não de mãe. Finalmente chegamos em casa e dei novamente um suspiro abafado...A casa era bem maneira, nem tão simples nem tão exagerada. Quando me virei, vi uma menininha com o olhar frustado e ela veio correndo e me deu um abraço...Era a Libby, naquele momento tive vontade de chorar. No começo eu não conceguia chamar o Adam de pai, mas era só uma questão de tempo. Então ele foi me mostrar " Meu " quarto, que era legal, tinha até um figobar e uma escrivaninha com um notbook...Tudo oque eu precisava estava lá naquele canto onde eu poderia fazer oque queria. Então achei melhor dormir e descansar um pouco, pois amanhã seria o meu primeiro dia na nova escola.

                               Parte 5

Hoje finalmente havia chegado o dia que eu iria a luta...Acordei um pouco sonolenta e respirando um ar meio que estranho, mais pelo o menos era bem melhor do que cheiro de cigarro. Tomei um bom banho, e fiz aquela baboseira de sempre. Abri o guarda roupa e peguei a primeira jeans que vi, vesti uma camiseta simples botei meu velho All Star e dei um jeito no meu cabelo...Peguei a mochila botei o mapa do colégio dentro dela, tomei meu café rapidamente e fui. Quando eu estava entrando no colégio, me deu uma ânsia passageira...Demorei um pouco para achar minha sala, mas achei...Chegando lá peguei um bom assento cujo ninguém faria questão e dava para ver muito bem o quadro, quando tocou o sino eram 8:30 e ai entrou a professora de matemática que por sinal, era tão antipática que parecia que havia comido nove limões antes de vir da aula. Mas ai tentei ignorar a matemática e principalmente a professora. Quando acabou a aula foi logo entrando a professora de ciências que mandou os alunos formarem grupos. E então os nerds ficaram  com os nerds, as patricinhas com as patricinhas e por ai vai...Então de repente fiquei ouvindo um psiiu, e quando me virei, eram as meninas do RESTO, me chamando para ir com elas! Naquele momento fiquei me achando a tal! As meninas eram muuuito legais, nos tínhamos muitas coisas em comum, nos odiávamos e adorávamos as mesmas coisas! Elas se chamavam  Megan, Ashley e Charlotte...Em questão de minutos viramos super amigas, e trocamos até telefone. Rapidamente deu 12:00 dia e então dei tchau as meninas e fui para casa...